10 dicas para acabar com todas as suas dúvidas sobre câncer de mama

Share on Facebook

1. O câncer de mama é o mais comum nas mulheres em todo o mundo
No Brasil, de acordo com as últimas estatísticas do INCA, são esperados quase 60 mil novos casos por ano. A incidência do câncer de mama tem crescido globalmente, principalmente devido ao aumento da expectativa de vida da população, já que a doença é mais comum a partir dos 50 anos.

2. Câncer de mama tem prevenção
Hábitos de vida saudáveis, como alimentação balanceada (rica em frutas, verduras, carnes brancas, fibras), prática de atividades físicas, não fumar e não ingerir bebida alcoolica em excesso, colaboram para reduzir o risco de desenvolver a doença.

3. O diagnóstico precoce salva vidas

Quando descoberta em fase inicial e tratada adequadamente, o prognóstico melhora substancialmente, aumentando as chances de cura.

4. Muitas vezes, o câncer de mama não apresenta sintomas na fase inicial

Em estágios iniciais, o tumor é muito pequeno e na maioria das vezes não é palpável pela mulher e nem apresenta sinais. Sintomas como alteração na textura da pele, no mamilo e lesões maiores, geralmente aparecem quando o tumor já está em fase mais avançada. Por isso, é tão importante o diagnóstico precoce.

5. O autoexame é importante, mas não substitui a mamografia.
O autoexame é uma forma que a mulher tem de conhecer melhor as suas mamas e identificar alterações, caso existam. No entanto, não é um método isolado e não substitui o exame clínico feito por médico e a mamografia, pois em alguns casos os nódulos podem estar presentes em locais não palpáveis pela mulher. O autoexame deve ser realizado uma vez ao mês, de três a cinco dias após o aparecimento da menstruação. Para as mulheres que não menstruam mais, a recomendação é que ela escolha uma data fixa no mês.

6. Alguns fatores aumentam o risco de desenvolver a doença
– Ser mulher
– Ter 50 anos ou mais
– Obesidade, sedentarismo
– Ter familiares de 1ª grau com a doença (mãe, irmã ou filha), principalmente se o câncer de mama apareceu antes dos 50 anos, ou parentes de 2º e 3º grau com a doença;
– 1ª menstruação precoce e menopausa tardia
– Não ter filhos ou 1º filho após os 30 anos
– Fazer uso de terapia de reposição hormonal

7. A mamografia deve ser feita anualmente, a partir dos 40 anos de idade.
A mamografia é o exame mais indicado para detecção precoce do câncer de mama, pois é capaz de identificar os nódulos quando estão ainda bem pequenos, em fase inicial. È capaz de identificar também outros sinais de câncer. A Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) recomenda que a partir dos 40 anos as mulheres devem realizar o exame uma vez ao ano. Para as mulheres que tem um fator de risco aumentado para a doença, como parentes de primeiro grau (pai, mãe, irmãs e filhos) com diagnóstico principalmente antes dos 50 anos, devem discutir com o mastologista a necessidade de realizar o exame antes da idade preconizada pela SBM.

8. O tratamento do câncer de mama foi uma das principais evoluções na medicina nos últimos anos
As cirurgias estão cada vez menos mutilantes e radicais. Alguns medicamentos modernos, com alvos-direcionados, conseguem tratar com menos reações adversas e preservar a qualidade de vida dos pacientes. Entretanto, a base do tratamento sistêmico ainda é a hormonioterapia e a quimioterapia.

9. Os casos hereditários correspondem a uma pequena parcela
O câncer de mama hereditário, decorrente da alteração nos genes BRCA 1, BRCA 2 ou de outros genes, corresponde a cerca de 5 a 10% dos casos.

10. Embora seja raro, homens também podem ter câncer de mama
Apenas 1% dos casos podem surgir em homens. Geralmente ocorre em pessoas com histórico familiar e são diagnosticadas mais tardiamente, pelo inesperado do caso.

As informações contidas nesta página possuem caráter informativo e não substituem a consulta médica. Consulte sempre o seu médico para outras informações. Atualizado em 23/03/2017