Apesar de raro, câncer de testículo responde bem ao tratamento se diagnosticado precocemente

Share on Facebook

O que são os testículos?
Os testículos são glândulas reprodutoras masculinas, responsáveis pela produção de hormônios responsáveis pelas características masculinas e também pela produção das células reprodutoras masculinas, os espermatozoides. Cada homem possui um par de testículos, sendo que cada um fica localizado no interior de uma bolsa escrotal, logo atrás do pênis.

Incidência câncer de testículo

De acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer, INCA, o tumor de testículo corresponde a 5% do total de casos de câncer entre os homens. Apesar de raro, preocupa porque a maior incidência ocorre em homens em idade reprodutiva – entre 15 e 50 anos. Nessa fase, há chance de ser confundido, ou até mesmo mascarado por outros problemas, como algumas infecções. A boa notícia é que quando diagnosticado precocemente, possui grandes chances de cura, diminuindo a mortalidade pela doença.

Fatores de Risco

São considerados fatores de risco:
– Histórico Familiar
– Câncer prévio em um dos testículos
– Criptorquidia: quando os testículos não descem para a bolsa escrotal e permanecem na cavidade abdominal

Prevenção
Não há uma prevenção específica para a doença, mas hábitos de vida saudáveis colaboram para prevenir diversos tipos de câncer. Além disso, a cirurgia para corrigir a criptorquidia, ainda na infância, é uma forma de prevenir, pois esse é um fator de risco importante para a doença.

Sintomas
Os sintomas mais comuns são:
– Aparecimento de um nódulo (caroço) em um dos testículos
– Alteração no tamanho dos testículos, aumento do volume
– Inchaço, sensação de peso na região
– Dor na região ou na parte inferior do abdômen e virilha
Em alguns casos, podem surgir também dor e/ou inchaço nas mamas, sangue na urina, falta de ar e dores de cabeça e abdominais. Geralmente, esses são sintomas que aparecem quando a doença já está em fase mais avançada. Caso apareça qualquer um dos sintomas acima procure um médico, de preferência um urologista, para avaliação correta.

Tratamento
O tratamento é individualizado, pois vai depender do tipo, tamanho e estágio da doença. Em alguns casos, a cirurgia é curativa, não necessitando de outros tratamentos. As modalidades de quimioterapia e radioterapia também podem ser utilizadas em conjunto, ou isoladamente, dependendo do caso.

As informações contidas nesta página possuem caráter informativo e não substituem a consulta médica. Consulte sempre o seu médico para outras informações. Atualizado em 03/05/2017